Erva de São João - Benefícios para a Saúde

  • 0
  • agosto 12, 2014

Nos últimos anos, tem havido um interesse renovado no hipericão, para o tratamento de depressões e tem havido um grande esforço de investigação científica sobre este tema. A maioria dos estudos mostra que a erva de S. João pode ser um tratamento eficaz para depressões leves a moderadas, e tem menos efeitos secundários que a maioria dos anti-depressivos químicos. Mas a erva interage com uma ampla variedade de medicamentos, por isso é importante tomá-la apenas sob a orientação de um profissional de saúde.

Também é importante notar que a depressão grave (caracterizada por uma incapacidade de funcionar com as atividades diárias, os pensamentos de suicídio ou de se prejudicar a si próprio ou aos outros) não deve ser tratada com ervas.

Se a depressão for grave, deve sempre consultar o seu médico (ver “Precauções” ).

Depressão

Vários estudos têm demonstrado que a erva de S.João é eficaz na redução dos sintomas de depressão, nas pessoas com grau leve a moderado, mas não grave (ou muito grave).

Em alguns estudos efectuados sobre este assunto, concluiu-se que a erva de S.João parece funcionar tão bem como os inibidores selectivos da recuperação de serotonina (SSRIs), um tipo muito conhecido de anti-depressivo, que inclui a fluoxetina (Prozac), citalopram (Celexa) e sertralina (Zoloft), sendo um dos efeitos secundários mais comuns, a perda da líbido.

O hipericão contém diversas substâncias químicas, incluindo hipericina, hiperforina e flavonóides.

Ainda não há conclusões exactas quanto aos efeitos da erva de S. João no tratamento da depressão, no entanto, esta erva parece, efectivamente, funcionar como um SSRI, disponibilizando maiores índices de serotonina, dopamina e norepinefrina para o cérebro; estes neurotransmissores ajudam a melhorar o humor; inicialmente pensava-se que a hipericina, existente na erva de S. João era o único elemento responsável pelas melhorias do humor, no entanto hoje já se sabe que aquele neurotransmissor actua em conjunto com outras substâncias químicas existentes na erva de S. João.

Contudo nem todos os estudos apontam na mesma direcção.

Num estudo feito com erva de S.João e placebo, as melhoras da depressão de quem tomou erva de S.João foram mais eficazes; porém, nesse mesmo estudo, também os tratamentos feitos com Zoloft (medicamento químico para a depressão) não foram de grande eficácia.

Igualmente, outros estudos feitos nesta mesma área, com erva de S. João e medicamentos químicos, como o Prozac, Celexa, Paxil (paroxetina)e Zoloft, vieram demonstrar que os tratamentos eram tão eficazes através da planta, como através dos medicamentos químicos.

Outros estudos estão em curso.

Outras Utilizações:

A erva de São João também se tem vindo a mostrar eficaz no tratamento de outras doenças, algumas das quais ligadas á depressão:

Infecções bacterianas e virais:

Em estudos laboratoriais, a erva de S. João demonstrou a capacidade de combater certas infecções, incluindo algumas bactérias que são resistentes aos antibióticos; mas não se sabe se esta erva terá o mesmo efeito nas pessoas.

Infecções pelo vírus HIV e Sida:

Em estudos laboratoriais, concluiu-se que a erva de S. João pode matar ou retardar o crescimento do vírus da imunodeficiência humana (HIV); por outro lado também se sabe que a erva de S. João interfere com os medicamentos usados nos humanos para tratar aquele vírus e que além disso as doses de tratamento para esta doença teriam que ser de tal modo elevadas que os efeitos secundários se tornariam insuportáveis.

Assim sendo, por enquanto, as pessoas com HIV ou Sida, não devem receber tratamentos com erva de S.João.

Síndrome pré-menstrual (TPM):

Um estudo inicial sugere que a erva de S. João pode ajudar a aliviar os sintomas físicos e emocionais da TPM, incluindo cólicas, irritabilidade, compulsão alimentar, e sensibilidade nos seios.

 Menopausa:

Vários estudos efectuados sugerem que a a erva de S. João e, em especial se for combinada com a cohosh preta (erva medicinal), é muito eficaz para atenuar as mudanças de humor e ansiedade durante a menopausa.

Transtorno afectivo sazonal (SAD):

Utilizada sozinha, a erva de S. João melhorou o humor de pessoas que sofrem de SAD (um tipo de depressão que ocorre durante os meses de inverno devido à falta de luz solar). Esta doença é normalmente tratada com fototerapia (terapia pela luz); algumas experiências feitas neste campo, sugerem que a utilização conjunta da erva de S. João e a fototerapia alcançam ainda melhores resultados.

Eczema, feridas, queimaduras leves, hemorróidas:

A erva de S. João tem propriedades anti-bacterianas pelo que pode também ajudar a combater diversos tipos de inflamação; aplicada topicamente (na pele), pode aliviar a dor de ferimentos leves e de irritações na pele.

Transtorno obsessivo compulsivo, fobia social:

Também se pensou que a erva de S. João seria boa para o tratamento destas doenças; porém após estudos feitos em 2005, chegou-se á conclusão que esta erva não é muito eficaz no alívio dos seus sintomas.

Pedro Silva

Sobre Pedro Silva

O Pedro Silva é o editor chefe do i-legumes.com, especialista em nutrição. Ele é apaixonado por ajudar as pessoas a alcançar seus objetivos de saúde e bem-estar.

Deixe um Comentário