p;

 

tomatestomate plantatomate cortado tomates Clique nas fotos para ampliar





Chá Verde - Benefícios para a Saúde

 

 

 

Curiosamente, o chá verde foi o único chá que se popularizou no Japão, tornando-se a bebida mais consumida do país, superando refrigerantes e bebidas alcoólicas.

 

 

O chá verde também é plantado e produzido noutros países da Ásia, inclusive em produtores tradicionais de chá preto como a Índia e o Ceilão, mas com técnicas diferentes das japonesas.

Fora da Ásia, devido à imigração japonesa, o chá verde também é produzido no sudeste do Brasil, particularmente no estado de São Paulo.

O Chá Verde é cultivado também no arquipélago dos Açores, mais propriamente na ilha de São Miguel.

Hoje, o chá é a bebida mais consumida no mundo, sendo somente ultrapassada pela água.

Centenas de milhões de pessoas no mundo bebem chá e os estudos sugerem que o chá verde (Camellia Sinensis), em particular, tem muitos benefícios para a saúde.

Existem quatro principais variedades de chá - verde, preto, oolong e branco. A diferença entre estas variedades de chá está na sua transformação.

O chá verde é produzido a partir de folhas fermentadas, submetidas a uma oxidação mínima e que supostamente contém uma maior concentração de poderosos antioxidantes chamados polifenóis.

Os antioxidantes são substâncias que eliminam os radicais livres (os radicais livres são produzidos pelas células durante o processo de combustão do oxigénio utilizado para converter os nutrientes dos alimentos absorvidos, podendo danificar as células sadias do nosso corpo, alterar o ADN - composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos e alguns vírus - e até mesmo causar a morte celular).

Os radicais livres ocorrem naturalmente no corpo, mas as toxinas ambientais (incluindo os raios ultravioletas do sol, a radiação, o fumo de cigarro e a poluição do ar), também dão origem a essas partículas prejudiciais.

Muitos cientistas acreditam que os radicais livres contribuem para o processo de envelhecimento, bem como para o desenvolvimento de uma série de problemas de saúde, incluindo cancro e doenças cardíacas.

Os antioxidantes como os polifenóis (fitoquímicos que para além de darem coloração aos frutos e vegetais, também providenciam benefícios para a saúde os quais resultam das suas acções anti-inflamatórias e anti-oxidantes) do chá verde podem neutralizar os radicais livres e podem reduzir, ou até mesmo ajudar a prevenir, alguns dos danos que causam.

Na medicina tradicional chinesa e indiana, os médicos usaram o chá verde como um estimulante diurético para promover a excreção da urina; adstringente para controlar hemorragias; ajudar a curar feridas; e ainda para melhorar a saúde do coração.

Outros usos tradicionais do chá verde incluem o tratamento da flatulência (gases); normalizar a temperatura corporal; regularizar o açúcar no sangue; favorecer a digestão e melhorar os processos mentais.

O chá verde tem sido extensivamente estudado em pessoas e animais e sujeito às mais diversas experiências em laboratório. Os resultados desses estudos sugerem que o chá verde pode ser útil para melhorar as seguintes condições de saúde:

 

ATEROSCLEROSE

 

Estudos clínicos indicam que as propriedades antioxidantes do chá verde podem auxiliar a prevenir a aterosclerose (doença inflamatória crónica na qual ocorre a formação de ateromas dentro dos vasos sanguíneos, sendo que estes são placas compostas especialmente por lípidos e tecido fibroso, que se formam na parede dos vasos).

Um estudo de base populacional (estudos que seguem grandes grupos de pessoas ao longo de certo tempo ou estudos que comparam grupos de pessoas que vivem em diferentes culturas e com diferentes hábitos alimentares) levou os investigadores a não entenderem ainda porque é que o chá verde reduz o risco de doença cardíaca e diminui os níveis de colesterol e triglicérides.

De facto, os pesquisadores estimam que a taxa de ataque cardíaco é reduzida em cerca de 11% com o consumo de 3 chávenas de chá por dia.

Em maio de 2006, contudo, o Food E.U. and Drug Administration (FDA) rejeitou uma petição de produtores de chá onde se solicitava a permissão para que os rótulos de chá verde divulgassem que aquele reduzia o risco de doença cardíaca.

A FDA concluiu que não existe nenhuma prova credível para apoiar tais alegações de saúde para o chá verde ou extracto de chá verde, no que respeita à redução do risco de doença cardíaca.

 

COLESTEROL ALTO

 

Diversas pesquisas mostraram que o chá verde reduz o colesterol total e aumenta o HDL (bom colesterol), tanto em animais, como em pessoas.

Um estudo de base populacional descobriu que os homens que bebem chá verde são mais propensos a terem menor colesterol total do que aqueles que não o bebem.

Resultados de um estudo efectuado em animais sugere que os polifenóis do chá verde podem bloquear a absorção intestinal de colesterol e promover a sua excreção do corpo.

Noutra observação feita em homens que fumavam, os analistas descobriram que o chá verde reduziu significativamente os níveis sanguíneos prejudiciais de colesterol LDL.

 
CANCRO

 

Vários estudos clínicos, feitos em diversas populações, demonstraram que tanto o chá verde como o chá preto, ajudam a proteger o ser humano contra o cancro.

As taxas de cancro tendem a ser baixas, por exemplo, em países como o Japão onde as pessoas consomem regularmente chá verde.

No entanto, não é possível determinar, a partir desses estudos de base populacional, se o chá verde realmente previne o cancro nos seres humanos.

Emergentes estudos clínicos sugerem que os polifenóis do chá verde, em particular, podem desempenhar um papel importante na prevenção do cancro.

Os cientistas também acreditam que os polifenóis ajudam a matar as células cancerosas e a impedir a sua progressão.

 

Cancro na Bexiga: Apenas uma clínica analisou a relação entre o cancro e o consumo de chá em alguns estudos.

Numa análise comparada, onde haviam pessoas com e sem cancro de bexiga, os pesquisadores descobriram que as mulheres que bebiam chá preto e chá verde em pó eram menos propensas a desenvolver cancro na bexiga.

Noutro estudo clínico, realizado pelo mesmo grupo de cientistas, foi revelado que pacientes com cancro de bexiga (especialmente homens) que beberam chá verde, obtiveram uma taxa de sobrevivência de 5 anos significativamente melhor, do que aqueles que o não fizeram.

 

Cancro da Mama: Estudos clínicos em animais e em tubos de ensaio, sugeriram que os polifenóis do chá verde inibem o crescimento das células do cancro da mama.

Num exame a 472 mulheres com diversos estágios do cancro da mama, os cientistas descobriram que as mulheres que haviam consumido chá verde, tinham contido, pelo menos, a propagação do cancro (as mulheres com pré-menopausa, em particular, nas fases iniciais do cancro de mama).

Também descobriram que em fases iniciais da doença, aquelas que beberam pelo menos cinco chávenas de chá todos os dias antes de ser diagnosticado aquele mal, tinham menos probabilidade de sofrer de recorrência daquela doença após a conclusão do tratamento.

No entanto, as mulheres em estágios avançados de cancro da mama tiveram poucas ou nenhumas melhoras bebendo chá verde.

Em termos de prevenção do cancro de mama, os estudos não são conclusivos.

Num estudo alargado, os pesquisadores descobriram que beber chá verde, ou qualquer outro tipo de chá, não está ainda associado a um risco reduzido de cancro da mama.

No entanto, quando eles dividiram as amostras por idade, entre as mulheres com idade inferior a 50 anos, aquelas que consumiam três ou mais chávenas de chá por dia tinham menos 37% de possibilidades de desenvolver aquela doença, comparando com as mulheres que não bebiam chá.

 

Cancro do Ovário: Noutra investigação clínica efectuada em pacientes com cancro de ovário na China, os pesquisadores descobriram que as mulheres que tinham bebido pelo menos uma chávena de chá verde por dia tinha sobrevivido mais tempo com a doença do que aquelas que não o tinham ingerido.

Na verdade, aquelas que o beberam, viveram mais tempo.

Outros estudos não encontraram nenhum efeito benéfico.

 

Cancro no Colo-Rectal: Estudos clínicos sobre os efeitos do chá verde no cancro do cólon ou recto, têm produzido resultados conflituantes.

Alguns estudos clínicos mostram a diminuição do risco para quem bebe o chá, enquanto outros mostram um risco aumentado.

Numa outra análise, as mulheres que beberam cinco ou mais chávenas de chá verde por dia apresentaram um risco menor de cancro no colo-rectal em comparação com outras que o não beberam.

Não houve efeito nos homens, no entanto.

Outros estudos mostraram que o consumo regular de chá pode reduzir o risco de cancro no colo-rectal nas mulheres.

Contudo, mais pesquisas são necessárias antes que os investigadores possam recomendar o chá verde para a prevenção deste tipo de cancro.


Cancro no Esófago: Estudos em animais de laboratório patentearam que os polifenóis do chá verde inibem o crescimento de células do cancro do esófago.

No entanto, investigações efectuadas em pessoas produziram resultados dissemelhantes.

Num estudo de base populacional em grande escala, por exemplo, foi detectado que o chá verde oferece protecção significativa contra o desenvolvimento do cancro no esófago (principalmente nas mulheres).

Noutro espaço clínico, um estudo de base populacional revelou exactamente o oposto - o consumo de chá verde foi associado a um risco aumentado do cancro no esófago.

Tendo em conta estes resultados diferentes, mais pesquisas são necessárias antes que os cientistas possam recomendar o chá verde para a prevenção do cancro no esófago.

 

Cancro no Pulmão:  Embora os polifenóis do chá verde tenham sido indicados para inibir o crescimento do cancro no pulmão em tubos de ensaio, poucos estudos clínicos têm pesquisado a ligação entre o consumo de chá verde e o cancro no pulmão em pessoas e mesmo esses estudos têm sido díspares nos seus resultados.

Baseado numa investigação científica feita em determinada população, descobriu-se que o chá de Okinawa (similar ao chá verde, mas parcialmente fermentado) foi associado a um menor risco de cancro no pulmão, particularmente entre as mulheres.

Uma segunda investigação revelou que o chá verde e o chá preto tinham aumentado significativamente o risco de cancro no pulmão.

Tal como acontece nos cancros no cólon e no esófago, mais estudos clínicos são necessários antes que os investigadores possam tirar quaisquer conclusões sobre o chá verde e o cancro no pulmão.

 

Cancro no Pâncreas: Num estudo comparado, em grande escala, sobre bebedores de chá verde e não bebedores, os investigadores descobriram que aqueles que bebiam mais chá tinham significativamente menos probabilidades para desenvolverem cancro no pâncreas.

Isto era particularmente verdadeiro para as mulheres - aquelas que tinham bebido mais chá verde tinham metade das possibilidades para desenvolverem cancro pancreático do que aquelas que beberam menos de chá.

Os homens que bebiam mais chá tinham menos 37% de possibilidades para desenvolverem aquele mal.

No entanto não está claro, a partir deste estudo, se o chá verde é o único responsável pela redução do risco deste género de cancro.

Outros estudos em animais e pessoas são necessários, antes que os investigadores possam recomendar o chá verde para a prevenção do cancro no pâncreas.

 

Cancro na Próstata: Estudos de laboratório descobriram, em tubos de ensaio, que extractos do chá verde podem impedir o crescimento de células cancerosas na próstata.

Numa investigação médica realizada por grandes pesquisadores do sudeste da China concluiu-se que o risco de cancro na próstata diminuiu com maior frequência, duração e quantidade, devido ao consumo de chá verde.

No entanto, os extractos de chá verde e preto também estimulam os genes que fazem as células serem menos sensíveis às drogas quimioterápicas.

Dado este potencial de interacção, as pessoas não devem beber chá verde ou preto (bem como os extractos desses chás), enquanto receberem quimioterapia.

 

Cancro na Pele: O principal polifenol presente no chá verde é a epigalocatequina galato (EGCG).

Estudos científicos sugerem que a EGCG e outros polifenóis do chá verde têm propriedades anti-inflamatórias e anti-cancerígenas, que podem ajudar a prevenir o aparecimento e o crescimento de tumores na pele.

 

Cancro no Estômago: Estudos de laboratório, em tubos de ensaio, descobriram que os polifenóis do chá verde inibem o crescimento de células do cancro no estômago, porém, estudos clínicos em pessoas foram menos conclusivos.

Em duas pesquisas com bebedores de chá verde e com não bebedores deste líquido, os investigadores descobriram que as pessoas que bebiam chá tinham cerca de metade de probabilidades para desenvolverem cancro no estômago e gastrite (inflamação no estômago), do que aqueles que não bebiam chá verde.

No entanto, um estudo incluindo mais de 26.000 homens e mulheres no Japão, não encontrou nenhuma associação entre o consumo do chá verde e o risco de cancro no estômago.

Alguns estudos sugerem mesmo que o chá verde pode aumentar o risco deste tipo de cancro.

Outros estudos estão em andamento, para determinar se o chá verde ajuda a reduzir o risco de cancro no estômago.

Embora o chá verde seja considerado seguro para as pessoas em situação de risco de cancro no estômago, é muito cedo para dizer se o chá verde reduz o risco de desenvolver esta doença.

 

DOENÇA INFLAMATÓRIA NOS INTESTINOS (DII)

 

O chá verde pode ajudar a reduzir a inflamação associada à doença de Crohn e à colite ulcerosa, os dois tipos de IBD (Inflammatory Bowel Disease ou, em português, Doença Inflamatória nos Intestinos - DII).

Se o chá verde demonstra ser útil para prevenir o cancro no cólon, este seria um benefício adicional para os pacientes que sofrem de IBD ou DII, porque correm o risco de contrair aquele tipo de enfermidade.

 

DIABETES

 

O chá verde tem sido usado tradicionalmente para controlar o açúcar no sangue.

Estudos em animais sugerem que o chá verde pode ajudar a prevenir o desenvolvimento da diabetes tipo 1 e retardar a sua progressão uma vez já desenvolvida.

Pessoas com diabetes tipo 1 produzem pouca ou nenhuma insulina, uma hormona que transforma a glicose (açúcar), amidos e outros alimentos em energia necessária para a vida diária.

O chá verde pode ajudar a regularizar a glicose no organismo.

Alguns pequenos estudos clínicos descobriram que, suplementos diários de extracto de chá verde em pó numa dieta, baixaram o nível de hemoglobina A1 em indivíduos com diabetes.

 

DOENÇA HEPÁTICA

 

Uma pesquisa de base populacional demonstrou que os homens que bebem mais de 10 chávenas de chá verde por dia, são menos propensos a desenvolverem doenças no fígado.

O chá verde também parece proteger o fígado dos efeitos nocivos de substâncias tóxicas, tais como o álcool.

Estudos em animais, mostraram que o chá verde ajuda a proteger contra o desenvolvimento de tumores hepáticos em ratos.

Resultados em vários animais e estudos em seres humanos sugerem que um dos polifenóis presentes no chá verde, conhecido como catequina, pode ajudar a tratar a hepatite viral (inflamação de um vírus no fígado).

Nesses estudos, a catequina foi isolada do chá verde e usada em concentrações muito elevadas.

Não está claro se o chá verde (que contém uma menor concentração de catequinas), confere os mesmos benefícios para as pessoas com hepatite.

 

PERDA DE PESO

 

Estudos clínicos efectuados sugerem que o extracto de chá verde pode aumentar o metabolismo e ajudar a queimar gordura.

Uma pesquisa realizada confirma que a combinação de chá verde e cafeína, gera perda de peso e melhoria na manutenção em indivíduos com peso excessivo ou obesos moderados.

Alguns pesquisadores especulam que substâncias do chá verde conhecidas como polifenóis, especificamente as catequinas, são responsáveis pelo efeito de queima de gordura.

 

OUTROS USOS

 

Beber chá verde tem mostrado ser eficiente, num pequeno estudo clínico, sobre a cárie dentária ou a deterioração dos dentes.

Mais estudos precisam ser realizados neste particular.

O chá verde também pode ser útil em doenças inflamatórias, como a artrite.

Pesquisas indicam que o chá verde pode combater a artrite, reduzindo a inflamação e retardar a ruptura da cartilagem.

Substâncias químicas encontradas no chá verde podem também ser eficazes no tratamento de verrugas genitais e prevenir sintomas de constipação e gripe.

Outros estudos também mostram que beber chá verde está associado a um risco reduzido de mortalidade em qualquer outra causa.

Deixe o seu comentário

 

 

Importante:
Este artigo e a informação presente não tem como objectivo servir de aconselhamento médico e não deverá nem poderá ser seguido como substituto de consulta médica.

O i-legumes.com apenas lista os nutrientes e os eventuais benefícios para a saúde de uma alimentação baseada em legumes. O site não pretende aconselhar sobre como curar sintomas, doenças ou condições e toda a informação aqui lista nunca deve ser seguida para alteração da sua alimentação ou hábitos de saúde. Consulte sempre o seu médico para aconselhamento sobre a sua alimentação e saúde.